PEQUENO ESCLARECIMENTO

PEQUENO ESCLARECIMENTO

"Os poetas não são azuis nem nada, como pensam alguns supersticiosos, nem sujeitos a ataques súbitos de levitação. O de que eles mais gostam é estar em silêncio - um silêncio que subjaz a quaisquer escapes motorísticos e declamatórios. Um silêncio... Este impoluível silêncio em que escrevo e em que tu me lês."

Mario Quintana - A vaca e o hipogrifo

Páginas

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Classe Distinta - A Distinta Forma

Uma missão a nós foi dada
Que jamais podemos negar
Tentar definir em palavras
A distinta forma de comandar

Preocupado com a definição 
Logo me pus a pensar
Como um nobre poeta
Na distinta forma de laborar

Quando GCM aqui entrei
O brilho nos olhos a raiar
Como um leão na selva visei
A distinta forma de guerrear

Hoje mais maduro eu sei
Na selva não dá para brincar
Obstáculos que presenciarei
Com a distinta forma hei de superar

Para concluir tal definição
Mais um fato tenho que falar 
Que para cumprir a missão
Usarei a distinta forma de amar.

CD Leandro - Turma 1/16 2º Pel

quinta-feira, 19 de março de 2015

Eu sou aquela mulher

Eu sou aquela mulher
a quem o tempo muito ensinou.
Ensinou a amar a vida
e não desistir da luta,
recomeçar na derrota
renunciar a palavras
e pensamentos negativos.
Acreditar nos valores humanos
e ser otimista.
Creio na força imanente
que vai gerando a família humana,
numa corrente luminosa
de fraternidade universal.
Creio na solidariedade humana,
na superação dos erros
e angústias do presente.
Aprendi que mais vale lutar
do que recolher tudo fácil.
Antes acreditar do que duvidar.


Cora Coralina

sexta-feira, 29 de março de 2013

William Shakespeare

"Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha. Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso. Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel."
William Shakespeare

domingo, 24 de março de 2013

Lagarta

"Duas lagartas teceram cada uma seu casulo. Naquele ambiente protegido, foram transformadas em belíssimas borboletas. Quando estavam prestes a sair e voar livremente, vieram as ponderações. Uma borboleta, sentindo-se frágil, pensou consigo:
A vida lá fora tem muitos perigos. Poderei ser despedaçada e comida por um pássaro. E, mesmo se um predador não me atacar, poderei sofrer com as tempestades. Um raio poderá me atingir. As chuvas poderão colabar minhas asas, levando-me a tombar no chão. Além disso, a primavera está acabando, e se faltar o néctar? Quem me socorrerá?. Os riscos de fato eram muitos, e a pequena borboleta tinha suas razões. Amedrontada, resolveu não partir. Ficou no seu protegido casulo, mas, como não tinha como sobreviver, morreu de um modo triste, desnutrida, desidratada e, pior ainda, enclausurada pelo mundo que tecera
A outra borboleta também ficou apreensiva; tinha medo do mundo lá fora, sabia que muitas borboletas não duravam um dia fora do casulo, mas amou a liberdade mais do que os acidentes que viriam. E assim, partiu. Voou em direção a todos os perigos. Preferiu ser uma caminhante em busca da única coisa que determinava a sua essência."

Augusto Cury

sábado, 17 de novembro de 2012

O TEMPO MUITO ENSINOU

"Eu sou aquela mulher
a quem o tempo muito ensinou.
Ensinou a amar a vida
e não desistir da luta,
recomeçar na derrota,
renunciar a palavras
e pensamentos negativos.
Acreditar nos valores humanos
e ser otimista.

Creio na força imanente
que vai gerando a família humana,
numa corrente luminosa
de fraternidade universal.

Creio na solidariedade humana,
na superação dos erros
e angústias do presente.
Aprendi que mais vale lutar
do que recolher tudo fácil.
Antes acreditar do que duvidar."

Cora Coralina

sábado, 13 de outubro de 2012

Depois de ter você

"Depois de ter você 
Pra que querer saber 
Que horas são? 

Se é noite ou faz calor 
Se estamos no verão 
Se o sol virá ou não 
Ou pra que é que serve 
Uma canção como essa? 

Depois de ter você 
Poetas para quê? 
Os deuses, as dúvidas 
Pra que amendoeiras pelas ruas? 
Pra que servem as ruas? 
Depois de ter você..."

Adriana Calcanhoto



segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Sou Eu!

Sou Eu!

À minha ilustre camarada Laura haves 
Pelos campos em fora, pelos combros 
Pelos montes que embalam a manhã
Largo os meus rubros sonhos de pagã 
Enquanto as aves poisam nos meus ombros... 

Em vão me sepultaram entre escombros 
De catedrais duma escultura vã! 
Olha-me o loiro sol tonto de assombros, 
as nuvens, a chorar, chamam-me irmã! 

Ecos longínquos de ondas... de universos.. 
Ecos dum Mundo... dum distante Além, 
Donde eu trouxe a magia dos meus versos! 

Sou eu! Sou eu! A que nas mãos ansiosas 
Prendeu da vida, assim como ninguém, 
Os maus espinhos sem tocar nas rosas! 

Florbela Espanca, in "Charneca em Flor"

terça-feira, 10 de julho de 2012

Cora Coralina

"Lindo demais
Coração é terra que ninguém vê

Quis ser um dia, jardineira
de um coração.
Sachei, mondei - nada colhi.
Nasceram espinhos
e nos espinhos me feri.

Quis ser um dia, jardineira
de um coração.
Cavei, plantei.
Na terra ingrata
nada criei.

Semeador da Parábola...
Lancei a boa semente
a gestos largos...
Aves do céu levaram.
Espinhos do chão cobriram.
O resto se perdeu
na terra dura
da ingratidão

Coração é terra que ninguém vê
- diz o ditado.
Plantei, reguei, nada deu, não.
Terra de lagedo, de pedregulho,
- teu coração. Bati na porta de um coração.
Bati. Bati. Nada escutei.
Casa vazia. Porta fechada,
foi que encontrei..."

Cora Coralina

segunda-feira, 14 de maio de 2012

HABITANTE

Em mim habita um eu
que não é mais eu
Sou tudo e não sou nada
Um copo do melhor néctar
cheio, de nada

Não me reconheço em meu corpo
Meu espírito, meu espaço
único, próprio e indivisível

Quem sou eu?
se não alguém que não sou mais
Mas e quando deixa de ser,
O que se tornou?

Não sei...
ou sei, mas prefiro não pensar?
O vazio que habita em mim faz me consolar...
Pensar em que?

O que são os pensamentos se não
apenas formas vivas alienígenas que entram no nosso cérebro
e que nos fazem acreditar que podemos ser
mas, será que somo?

Mas... quem fomos? Quem somos? E quem seremos?

Quem eu sou? O que sou?
Sou?... Ou me tornei?...
O que sou para mim... se não o escravo e o algoz
o prisioneiro e o carrasco...
De mim e para mim

Eu em mim...

NO MONTE OLIMPO

Seus olhos expressam carinho 
como nunca vi
Seus lábios me mostram o caminho
que eu quero seguir

 És grande e forte nobre príncipe
 com o olhar que o meu corpo aquece
És suave e macio   
no seu colo me entorpece

No seu peito me aninho
e com muito carinho, me quer bem
És um rompante, quente, viril
Faz-me aquecer em meio as tristezas de um dia frio

Cavaleiro poderoso que à luz da lua e ao som do silêncio
Fez calar-me a tristeza
E em seus braços aconchegantes e macios como a seda
Fez-me sonhar

Traz-me de volta para vida
que havia esquecido
Que podia ser vivida
E numa noite fria me fez feliz

sábado, 12 de maio de 2012

Borboletas


"Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de
se decepcionar é grande.

As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.

Temos que nos bastar... nos bastar sempre e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.

As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.

Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.

O segredo é não cuidar das borboletas e sim cuidar do jardim para que elas venham até você.

No final das contas, você vai achar
não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!"

Mario Quintana

terça-feira, 8 de maio de 2012

Canção de Outono

Perdoa-me, folha seca,
não posso cuidar de ti
Vim para amar neste mundo
e até do amor me perdi.
De que serviu tecer flores
pelas areias do chão
se havia gente dormindo
sobre o própro coração?

E não pude levantá-la!
Choro pelo que não fiz.
E pela minha fraqueza
é que sou triste e infeliz.
Perdoa-me, folha seca!
Meus olhos sem força estão
velando e rogando áqueles
que não se levantarão...

Tu és a folha de outono
voante pelo jardim.
Deixo-te a minha saudade
a melhor parte de mim.
Certa de que tudo é vão.
Que tudo é menos que o vento,
menos que as folhas do chão...

Cecília Meireles


segunda-feira, 26 de março de 2012

Pai, me ajuda a olhar!



"Diego não conhecia o mar. O pai, Santiago Kovakloff, levou-o para que descobrisse o mar. Viajaram para o Sul. Ele, o mar, estava do outro lado das dunas altas, esperando. Quando o menino e o pai enfim alcançaram aquelas alturas de areia, depois de muito caminhar, o mar estava na frente de seus olhos. E foi tanta a imensidão do mar, e tanto seu fulgor, que o menino ficou mudo de beleza. E quando finalmente conseguiu falar, tremendo, gaguejando, pediu ao pai: ,
- Me ajuda a olhar!”

Eduardo Galeano, in “O livro dos abraços
do Blog  Nosso Cotidiano

sexta-feira, 23 de março de 2012

LUA ADVERSA

"LUA ADVERSA

Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua...
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases como a lua...)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua...
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu..."

Cecília Meireles

quinta-feira, 8 de março de 2012

BEM ME QUER!

"Bem me quer! Bem me quer!
Perdoe minhas fugidas
Noites frias me nublaram
Me sentia sem saída, agora não

Bem me quer! Bem me quer!
Conhecer o desconhecido faz movimentos
Acreditar nas magias invisíveis faz neve no deserto
Viver cria tempestades de bênçãos no peito

Bem me quer! Bem me quer!
Um abraço em natureza
A família de todos os lugares
Os caminhos dos sonhos e belezas

Bem me quer! Bem me quer!
Consciência e coragem
Coração desbravador
Olhar de amor e serenidade

Bem me quer! Bem me quer!
Bem me quero! Bem me quero!
Bem te quero! Bem te quero!
Bem querer sutil, em carinho e natural."


Mitakuye Oyasin!
“Por todas as nossas relações!”

Série: 365 Inspirações Xamânicas para o nosso Cotidiano
Autor: Samuel Souza de Paula
Crédito da Imagem: Snow Wolf - Barbara Banthien

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Duas Estações

"Ás vezes temos sentimentos nobres e bonitos,
mas que não podem ser exercitados.
Ás vezes temos sentimentos confusos,
mas que não podem ser resolvidos.
Ás vezes temos sentimentos profundos,
mas que não podem ser por nós mesmos compreendidos.
Ás vezes temos sentimentos avassaladores,
mas que não podem ser conhecidos."


Rildo Marques de Oliveira
2 Estações

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Sentada aos pés da cama, que tanto já havia sofrido durante seu longo matrimônio, observa pela janela o pôr-do-sol que nunca vira antes. A luz que entra em seu quarto ilumina uma parte do seu pé, velho, enrugado, cheio de marcas. Naquele momento, em seu luto, confusa com as memórias de uma vida de resignação e o futuro livre das amarras.
Levantou-se, com o olhar no poente, suspirou, olhou-se no espelho e jurou ser livre pelo resto de sua vida.

Erika Genaro

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Cantares

 "Tudo passa e tudo fica
porém o nosso é passar,
passar fazendo caminhos
caminhos sobre o mar

Nunca persegui a glória
nem deixar na memória
dos homens minha canção
eu amo os mundos sutis
leves e gentis,
como bolhas de sabão

Gosto de ver-los pintar-se
de sol e graná voar
abaixo o céu azul, tremer
subitamente e quebrar-se...

Nunca persegui a glória
Caminhante, são tuas pegadas
o caminho e nada mais;
caminhante, não há caminho,
se faz caminho ao andar

Ao andar se faz caminho
e ao voltar a vista atrás
se vê a senda que nunca
se há de voltar a pisar

Caminhante não há caminho
senão há marcas no mar...

Faz algum tempo neste lugar
onde hoje os bosques se vestem de espinhos
se ouviu a voz de um poeta gritar
"Caminhante não há caminho,
se faz caminho ao andar"...

Golpe a golpe, verso a verso...

Morreu o poeta longe do lar
cobre-lhe o pó de um país vizinho.
Ao afastar-se lhe vieram chorar
"Caminhante não há caminho,
se faz caminho ao andar..."

Golpe a golpe, verso a verso...

Quando o pintassilgo não pode cantar.
Quando o poeta é um peregrino.
Quando de nada nos serve rezar.
"Caminhante não há caminho,
se faz caminho ao andar..."

Golpe a golpe, verso a verso."

Antonio Machado

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Aqui

"Aqui
Eu nunca disse que iria ser
A pessoa certa pra você
Mas sou eu quem te adora 
Se fico um tempo sem te procurar
É pra saudade nos aproximar
E eu já não vejo a hora

Eu não consigo esconder
Certo ou errado, eu quero ter você
Você sabe que eu não sei jogar 
Não é meu dom representar
Não dá pra disfarçar 
Eu tento aparentar frieza mas não dá
É como uma represa pronta pra jorrar
Querendo iluminar
A estrada, a casa, o quarto onde você está
Não dá pra ocultar
Algo preso quer sair do meu olhar
Atravessar montanhas e te alcançar
Tocar o seu olhar 
Te fazer me enxergar e se enxergar em mim

Aqui
Agora que você parece não ligar
Que já não pensa e já não quer pensar
Dizendo que não sente nada
Estou lembrando menos de você
Falta pouco pra me convencer
Que sou a pessoa errada

..."



Ana Carolina

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Flôrbela Espanca

"Minh'alma, de sonhar-te anda perdida.
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não és sequer razão do meu viver
Pois que tu és já toda a minha vida!
Não vejo nada assim enlouquecida...
Passo no mundo, meu amor, a ler
No mist'rioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!...
"Tudo no mundo é frágil, tudo passa..."
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!
E, olhos postos em ti, digo de rastros:
"Ah! podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus: princípio e fim!..."

Flôrbela Espanca

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Do livro "2 ESTAÇÕES"

"Num dia desses qualquer, a gente mistura as estações e aí não se sabe lá no que dá...
Dá uma vontade grande de...
..................................................................
Navegar por uns mares...
Retornar por outros caminhos...
Nas lendas do amor,
É mais fácil ser poeta.
Em outros momentos,
É muito difícil ser...
Apenas
Gente..."

Rildo Marques de Oliveira

terça-feira, 21 de junho de 2011

Sonhos



"Ainda bem que sempre existe outro dia. E outros sonhos. E outros risos. E outras pessoas. E outras coisas..."

Clarice Lispector





terça-feira, 31 de maio de 2011

Perfil

Motivo

"Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem triste:
sou poeta.
Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.
Se desmorono ou edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.
Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno e asa ritmada.
E sei que um dia estarei mudo:
- mais nada"

(Cecília Meireles)

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Do livro "2 ESTAÇÕES"

"Enquanto caminhava,
Senti na face, um sopro que pensei ser de Deus,
E no mesmo instante me perdi...
Senhor! Por que não te acho quando quero,
e quando posso, não posso estar?
Por que ao invés se afortuna no peito,
Ao invés de estar em calmaria?
Por que o barco instável,
Pra sentir existente vai a deriva?
Que o caminho buscar, se no peito arde,
Se nos olhos se perdem, se na palma se esquece?
Onde encontrar Senhor, a paz no tempo,
A força no chão, a têmpera do coração?
Me equivoquei, porque jamais me responderás;
não te faças presente... porque mesmo não estás,
Estou eu com todos meus sentidos, 
Entre eles meus ouvidos
Que não vão escutar o que não há,
Entre eles meus pulmões,
Que vão respirar meu próprio destino,
Entre eles minha alma
Suficiente para suportar
No meu coração, os dramas
Que eu mesmo escolhi."


Rildo Marques

domingo, 15 de maio de 2011

Ensaio

Um bom poema é aquele 
que nos dá a impressão
de que está lendo a gente
 ... e não a gente a ele!
Mario Quintana - A vaca e o hipogrifo




sexta-feira, 29 de abril de 2011

A ARTE

"Poeta, não é somente o que escreve.
É aquele que sente a poesia, se extasia sensível
ao achado de uma rima à autenticidade de um
verso."

Cora Coralina

segunda-feira, 25 de abril de 2011

LUIZ FERNANDO VERÍSSIMO

Fala sobre as Mulheres

"Tenho apenas um exemplar em casa, que mantenho com muito zelo e dedicação, mas na verdade acredito que é ela quem me mantém. 
Mulher vive de carinho. Dê-lhe em abundância. É coisa de homem sim, e se ela não receber de você vai pegar de outro.

Beijos matinais e um 'eu te amo’ no café da manhã as mantém viçosas e perfumadas durante todo o dia. Flores também fazem parte de seu cardápio – mulher que não recebe flores murcha rapidamente e adquire traços masculinos como rispidez e brutalidade. 


Respeite a natureza. Você não suporta TPM? Case-se com um homem. Mulheres menstruam, choram por nada, gostam de falar do próprio dia.

Não faça sombra sobre ela. Se você quiser ser um grande homem tenha uma mulher ao seu lado, nunca atrás. Assim, quando ela brilhar, você vai pegar um bronzeado. Porém, se ela estiver atrás, você vai levar um pé-na-bunda. Aceite: mulheres também têm luz própria e não dependem de nós para brilhar. 


É, meu amigo, se você acha que mulher é caro demais, vire gay. Só tem mulher quem pode!"


Luiz Fernando Veríssimo.





domingo, 24 de abril de 2011

A DANÇA

"A alma do filósofo vive em sua cabeça,
A alma do poeta vive em seu coração, 
A alma do cantor vive em sua garganta,
Mas a alma da bailarina habita em seu corpo todo." 


Khalil Gibran Khalil



BETWANES BEEK

TRADUÇÃO

Eu sinto prazer com você quando você está comigo


"Eu sinto prazer com você e encontro meu mundo quando você está ao meu lado
Refrão
Quando você chega perto eu sinto você
Quando você está longe eu sinto você
E sua imagem vem comigo
E a lembrança da sua voz me conforta
E seu amor me protege até longe
O amor está chamando você do mais profundo do meu ser
E eu, e eu,e eu
Eu, eu, eu,
Eu adoro sua companhia quando você está comigo
Horas passam depois de nossos encontros
E minha alma é sedenta esperando tua presença
Eu tenho tanta saudade de teus olhos
E apesar de o mundo parecer vazio
Mesmo com as pessoas indo e voltando
Eu sonho com você
Estou sempre te chamando nos meus devaneios
Eu falo para mim mesma que ou você vem até mim, ou eu vou até
você
Sem marcar hora
Oh, se eu pudesse num instante
Encontrar você do meu lado, olhos meus
E nós com as mãos unidas."

______________________________________

Betwanes Beek



Cantora Árabe - Warda Al-Jazairia



sábado, 23 de abril de 2011

TODAS AS VIDAS



"Vive dentro de mim
uma cabocla velha
de mau-olhado,
acocorada ao pé do borralho,
olhando pra o fogo.
Benze quebranto.
Bota feitiço...
Ogum. Orixá.
Macumba, terreiro.
Ogã, pai-de-santo...

Vive dentro de mim
a lavadeira do Rio Vermelho,
Seu cheiro gostoso
d’água e sabão.
Rodilha de pano.
Trouxa de roupa,
pedra de anil.
Sua coroa verde de são-caetano.


Vive dentro de mim
a mulher cozinheira.
Pimenta e cebola.
Quitute bem feito.
Panela de barro.
Taipa de lenha.
Cozinha antiga
toda pretinha.
Bem cacheada de picumã.
Pedra pontuda.
Cumbuco de coco.
Pisando alho-sal.


Vive dentro de mim
a mulher do povo.
Bem proletária.
Bem linguaruda,
desabusada, sem preconceitos,
de casca-grossa,
de chinelinha,
e filharada.

Vive dentro de mim
a mulher roceira.
– Enxerto da terra,
meio casmurra.
Trabalhadeira.
Madrugadeira.
Analfabeta.
De pé no chão.
Bem parideira.
Bem criadeira.
Seus doze filhos.
Seus vinte netos.

Vive dentro de mim
a mulher da vida.

Minha irmãzinha...
tão desprezada,
tão murmurada...
Fingindo alegre seu triste fado.

Todas as vidas dentro de mim:
Na minha vida –
a vida mera das obscuras."

Cora Coralina

terça-feira, 19 de abril de 2011

NÃO SEI

"Não sei... se a vida é curta ou
longa demais pra nós,
Mas sei que nada do que vivemos tem sentido,
se não tocamos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita,
Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
olhar que acaricia,
desejo que sacia,
Amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo,
é o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela não seja nem curta,
nem longa demais, mas que seja intensa,
verdadeira, pura... Enquanto durar."

Cora Coralina

INFÂNCIA


"Meu pai montava a cavalo, ia para o campo.
Minha mãe ficava sentada cosendo.
Meu irmão pequeno dormia.
Eu sozinho menino entre mangueiras.
lia a história de Robinson Crusoé,
comprida história que não acaba mais.

No meio-dia branco de luz uma voz que aprendeu
a ninar nos longes da senzala - nunca se esqueceu
chamava para o café.
Café preto que nem a preta velha
café gostoso
café bom.

Minha mãe ficava sentada cosendo
olhando para mim:
- Psiu... Não acorde o menino.
Para o berço onde pousou um mosquito
.
E dava um suspiro... Que fundo!

Lá longe meu pai campeava
no mato sem fim da fazenda.

E eu não sabia que minha história
era mais bonita que a de Robinson Crusoé. ”

 (Carlos Drummond de Andrade)